Início » Dicas de Aplicativos » Como funciona o aplicativo do FGTS? Informe-se aqui!

Como funciona o aplicativo do FGTS? Informe-se aqui!

O FGTS é o conhecido de muitos dos trabalhadores brasileiros, principalmente porque é o acúmulo de um desconto mensal de vários salários existentes durante o período de vínculo com a empresa.

Está com algumas dúvidas sobre como funciona e como utilizar o aplicativo FGTS? Veja abaixo como funciona, quais são as formas de acesso e muito mais.

Fique por dentro desse assunto e tire todas suas dúvidas relacionadas.

Como funciona o aplicativo do FGTS?

Primeiro, é preciso que você faça o download do app, procure por “FGTS” na sua Play Store e baixe o mesmo. Então, é preciso clicar no botão de “Cadastre-se”.

  • Agora, preencha seus dados pessoais, como o CPF, nome, data de nascimento, e-mail e então, cadastre sua senha. Essa senha precisa ter 6 dígitos e ser numérica. Se você já utilizou o app anteriormente, já terá a senha cadastrada no sistema;
  • Clique então na opção “Não sou um robô”;
    Como funciona o aplicativo do FGTS?
  • Você receberá um e-mail de confirmação em seu e-mail, basta que acesse e então clique no link que foi enviado para sua caixa de entrada;
  • Abra seu app, preencha com seu CPF e com a senha até então cadastrada;
  • Você terá que responder demais perguntas sobre sua vida funcional, responda e então leia as condições de uso do aplicativo. Por fim, clique em concordar.

Assim, você estará apto a utilizar o aplicativo FGTS rapidamente, basta utilizar as funções ali existentes e pronto.

O que é o FGTS? Veja aqui!

Conhecido por ter sido criado pelo Governo Federal com o intuito de ser uma reserva para o trabalhador, todo o mês a empresa contratante realiza o depósito de 8% do valor do salário em uma conta da Caixa, sem existir nenhum tipo de desconto para o trabalhador.

Como é usado o dinheiro na reserva?

FGTS: como o dinheiro é utilizado na conta

Este dinheiro que fica parado na conta da Caixa é utilizado pelo governo para recursos específicos, sendo eles: para a área de habitação popular, saneamento básico, infraestrutura urbana, novas estradas e ruas.

Assim, o dinheiro que ficaria parado continua sendo movimentado em nosso país, sendo possível sacá-lo em situações específicas.

Estas situações são:

  • Aposentadoria;
  • Compra de casa própria;
  • Para ajudar na compra de um imóvel adquirido por um consórcio;
  • Para ajudar na compra de um imóvel financiado – pelo Sistema Financeiros de Habitação;
  • Em casos de demissão sem justa causa;
  • Rescisão por acordo;
  • Morte do empregador ou em caso de fechamento de empresa;
  • Fim de contrato de trabalho de um trabalhador que foi contratado de forma temporária;
  • Falta de atividade remunerada para o trabalhador por 90 ou mais dias;
  • Ter 70 ou mais anos de idade;
  • Em casos de doenças graves como AIDS ou câncer, seja do trabalhador, de sua mulher/marido, filho ou estágio terminal de diversas doenças;
  • Quando o trabalhador morre;
  • Em caso de rescisão por culpa recíproca ou questões maiores;
  • Em casos de necessidade pessoal urgente e grave, que pode acontecer por chuvas e demais efeitos meteorológicos que podem afetar a residência do trabalhador, ou demais situações que sejam classificadas como emergência ou calamidade pública;
  • Quando a conta está sem receber nenhum depósito por mais de 3 anos;
  • Se o trabalhador avulso – sem nenhum vínculo empregatício – tem seu contrato suspenso por 90 ou mais dias;
  • Quando são dependentes ou herdeiros reconhecidos que solicitam o dinheiro, em caso de morte do trabalhador.

Quais são as pessoas que têm direito ao FGTS?

  • Trabalhadores registrados com o regime de CLT;
  • Trabalhadores rurais;
  • Trabalhadores intermitentes;
  • Trabalhadores temporários (aqueles que tenham sido contratados com tempo determinado ou período pré contratado);
  • Trabalhadores avulsos (aqueles que prestam serviços para várias empresas, porém são contratados por um sindicato específico, mas sem vínculo empregatício concreto);
  • Para atletas profissionais;
  • Empregados domésticos (segundo lei alterada em 2015);
  • Safreiros (aqueles operários rurais que trabalham apenas na época de colheita).

Dessa forma, é preciso ficar atento em qual regime você se encontra e se está dentro do previsto da legislação do FGTS.

É preciso sempre que o trabalhador fique de olho em como a empresa contratante está fazendo o pagamento, visto que é obrigação da mesma contribuir para o FGTS, do contrário, poderá prejudicar o trabalhador e o valor que seria arrecadado.

Assim, verifique sempre em seu holerite se o desconto está sendo realizado de forma correta e caso tenha dúvidas, peça o número da conta para verificar se os depósitos estão sendo feitos de forma correta.

Comente